Visitar a Torre do Relógio, em Veneza


Dicas de Veneza

Durante o carnaval de Veneza de 2016, enquanto milhares de pessoas desfilavam pela Praça São Marcos com suas lindas máscaras, eu preferi visitar a Torre do Relógio e, uma vez lá em cima, pude ter uma visão panorâmica da cidade com seus inúmeros telhados, torres de igrejas, a Basílica de São Marcos, o Palácio Ducal, os museus da Praça São Marcos, uma parte do Teatro La Fenice, a laguna, etc.

Se você quiser aprender um pouco mais sobre a história de Veneza, e tiver tempo para fazer a visita guiada à Torre do Relógio, eis abaixo algumas informações que farão com que você queira visitar esse monumento na sua viagem à Sereníssima.

Torre do Relógio em Veneza

Torre do Relógio, Praça São Marcos, Veneza.

Visitar a Torre do Relógio, Veneza

Torre dos Mouros

Conhecida também como Torre dos Mouros, a Torre do Relógio é um dos símbolos arquitetônicos mais famosos de Veneza: enfeita como um arco do triunfo o acesso à movimentada rua comercial da cidade, a antiga Merceria.

A Torre do Relógio é também um elemento de junção e de ruptura das várias partes arquitetônicas do complexo de Praça São Marcos e das diversas funções urbanas que a partir dela se difundem: as sedes do poder político e religioso, os lugares de representação social e de economia, a vista para o mar e a articulação da inteira malha edilícia urbana.

A torre, é, na verdade, com o seu grande relógio astronômico, uma obra-prima de técnica e engenharia, um elemento irrenunciável da imagem da própria Veneza marcando, já há 500 anos, a sua vida, história e o contínuo transcorrer do tempo.

Torre do Relógio em Veneza

O “coração” do relógio.


Torre do Relógio, Praça São Marcos, Veneza: cronologia


O governo da Sereníssima decide construir um novo relógio público na Praça São Marcos e encomenda o trabalho a Gian Paolo e Gian Carlo Rainieri, de Reggio Emilia.

O sistema ptolemaico no relógio

1496-1497 – Construção do mecanismo do relógio.

1499 – Em 1º de fevereiro, torre e relógio são inaugurados. O relógio é um prodígio da técnica: acionado por pesos, tem um escapamento a foliot (um tipo primitivo de pêndulo).

Notável é o mecanismo da procissão dos Reis Magos que permite a passagem dos personagens e a sua inclinação em frente à estátua dourada de Nossa Senhora com o Menino Jesus, precedidos pelo Anjo Anunciador que toca a tromba.

Porém, a característica mais extraordinária é a complexidade das indicações astronômicas baseadas sobre o sistema ptolemaico.

Torre do Relógio em Veneza

Os mouros que dão as badaladas do relógio.

Os cinco planetas

Sobre o grande quadrante principal (4,5 m de diâmetro), em cercos concêntricos, sucedem-se, modificando no tempo as suas posições, os cinco planetas conhecidos: Saturno, Júpiter, Marte, Vênus e Mercúrio, além das fases da lua e da posição do Sol no Zodíaco.

Um outro quadrante, muito mais simples, sobre o lado da Mercerie (Marzarie, em veneziano – principal artéria comercial de Veneza), indica o tempo. Falta uma documentação suficiente que permita deduzir o que seja conservado desse mecanismo original.

1551 – Restauro geral realizado por Giuseppe Mazzoleni, que consiste principalmente na retomada das funções originais nas partes deterioradas pelo tempo.

Torre do Relógio em Veneza

Quadrante norte da Torre do Relógio que dá para a antiga Mercerie.

O Sol e o zodíaco

1753-1759 – Restauro realizado por Bartolomeo Ferracina. O relógio sofre uma profunda mudança.

O escapamento original vem substituído por um pêndulo, o quadrante com vista para a Praça São Marcos é notavelmente simplificado e é aquele até hoje funcionante: o movimento original de seis corpos celestes em torno da Terra é substituído um a um por três setores concêntricos que indicam a posição do Sol em relação ao zodíaco – com os meses e os dias -, o movimento da Lua com as suas fases, além, obviamente, das horas.

Muitas badaladas

Uma terceira mudança atinge os sons dos Mouros, modificados em modo que batam as horas em ciclos de doze, em vez de vinte e quatro badaladas.

É também adicionado um som de 132 badaladas, com dois martelos em movimento alternado, acionado automaticamente ao meio-dia e à meia-noite.

Bartolomeo Ferracina restaura, além disso, o sistema de saída dos Rei Magos, que é inaugurado na festa da Ascensão de 1759.

Torre do Relógio em Veneza

À esquerda: fachada da Basílica de São Marcos. À direita: Museu Correr. Ao fundo: a laguna veneziana.

Procissão dos Reis Magos

1858 – Restauro, realizado por Luigi De Lucia, que substitui o pêndulo e a sua suspensão e muda a frequência das badaladas.

Realiza também um novo mecanismo, sobrejacente ao preexistente corpo central do mecanismo do tempo, para consentir visualizar em grandes dimensões os algarismos relativos às horas e aos minutos, mediante o uso de dois grandes tambores colocados na abertura que originariamente permitia a procissão dos Reis Magos (que passou a ser festejada somente nas festas de Epifânia e da Ascensão).

A Torre do Relógio atualmente

1916 – Devido à guerra, o município decreta o cessar-fogo e a desativação do mecanismo das 132 badaladas ao meio-dia e à meia-noite.

1996- 1998 – O município encomenda um restauro conservativo do relógio. O som das 132 badaladas é reativado.

1999 – Entrega do relógio restaurado e sua exposição no Palácio Ducal de Veneza.

2006 – Recolocação do relógio na torre e reativação de todos os mecanismos de transmissão dos movimentos nas várias partes da estrutura.

Quero receber a newsletter mensal de Viagem na Itália

Quadrante sul: Lado Praça São Maros

Consta de um círculo fixo de mármore, no qual são marcadas as horas em algarismos romanos, e de uma parte móvel composta de um anel maior que tem os signos do zodíaco com as relativas constelações, nomes dos meses e os números dos dias.

Um modo mais sutil no qual é fixado o ponteiro das horas em forma de sol com  feixe de raios e longa cauda, um disco mais interno com a Terra no centro e a Lua. Esta última também roda sobre seu eixo representando as várias fases lunares.

Torre do Relógio em Veneza

Os Reis Magos e o anjo anunciante.

O quadrante atual do relógio é fruto de um processo de simplificação em relação àquele original do final do século XV: foram eliminados os planetas dispostos segundo o sistema ptolemaico e os relativos anéis e mecanismos que garantiam as propícias e diferentes rotações.

Com o passar dos dias e dos meses, a velocidade diferente dos movimentos dos círculos faz com que os símbolos do Sol e da Lua entrem e saiam dos setores das constelações representadas nos zodíaco.


 Leia minhas outras dicas de Veneza.


Quadrante Norte: Lado Mercerie

É constituído por um círculo de mármore externo com as horas marcadas em algarismos romanos. No centro é posicionado um leão de São Marcos em cobre, um tempo era dourado, que cobre a cabeça do eixo de transmissão do movimento.


Como visitar a Torre do Relógio de Veneza


A Torre do Relógio fica na Praça São Marcos, porém o ponto de encontro para a visita guiada é na bilheteria do Museu Correr.

É necessário agendar a visita à Torre do Relógio no site oficial, já que essa é feita com um guia especializado. A entrada é permitida a partir dos 6 anos.

Visitas em italiano: Todos os dias, ao meio-dia e às 16 h.

Visitas em inglês: De segunda a quarta-feira, às 10 h e às 11 h. De quinta a domingo, às 14 h e às 15 h.

Visitas em francês: De segunda a quarta-feira, às 14 h e às 15 h. De quinta a domingo, às 10 h e às 11 h.

Ingressos

Inteiro: 12 euros

Reduzido: 7 euros (6 a 14 anos, estudantes de 15 a 25 anos, idosos acima de 65 anos, quem comprou ingressos para os Museus de Praça São Marcos, o Museum Pass, ingresso para o Itinerário Secreto do Palácio Ducal ou para “Os Tesouros Escondidos do Doge”, etc.)

Quem compra o ingresso para a Torre do Relógio tem direito a entrar gratuitamente no Museu Correr, Museu Arqueológico Nacional e nas Salas Monumentais da Biblioteca Marciana.

Site oficial da Torre do Relógio (italiano e inglês).

AVISO: O ponto de encontro para a saída da visita guiada é na bilheteria do Museu Correr, onde é necessário chegar 5 minutos antes do horário agendado.


*Esta postagem contém links de parceiros afiliados. Saiba mais sobre a Política de Monetização do blogue.


VIAGEM NA ITÁLIA

Desde 2003, sou residente em Riccione, um balneário turístico na região Emília-Romanha. No fim de maio de 2013, decidi tirar da gaveta a ideia de escrever um blogue com dicas de viagem na Itália, divulgando, assim, o maravilhoso patrimônio artístico, cultural e paisagístico que só este país pode oferecer. Estou também no Facebook, Instagram, Twitter e YouTube. Assine a newsletter mensal.

Comments

  1. […] as Salas Monumentais da Biblioteca Marciana, Veneza, no mesmo dia em que fiz a visita guiada à Torre do Relógio, na Praça São Marcos: o mesmo ingresso para a Torre consente visitar também as Salas […]

Deixe seu comentário ☺

error: