UNESCO: Biblioteca Malatestiana = Registro da Memória do Mundo


Dicas de Rimini e arredores

Entrar na antiga Biblioteca Malatestiana é como entrar em um cenário de filme, do tipo “O Nome da Rosa“, no qual os monges folheam belíssimos manuscritos em um profundo silêncio típico de uma biblioteca da Idade Média. Você pode ter a mesma experiência ao visitar esta biblioteca, Registro da Memória do Mundo (UNESCO, 2005), localizada no centro histórico de Cesena, província de Forlì-Cesena, região Emília-Romanha.

UNESCO: Biblioteca Malatestiana

As carteiras com os manuscritos presos por correntes, as mesmas já usadas no século XV. Não é possível tocar essas obras e nem sentar nas carteiras. A guia que acompanhou o meu grupo nos mostrou um desses livros. É impressionante o modo delicado e fino como eles eram realizados. Verdadeiras obras de arte!

UNESCO: Biblioteca Malatestiana, Registro da Memória do Mundo


A Biblioteca Malatestiana é a única do período humanístico-renascentista que ainda preserva perfeitamente o seu edifício, seus móveis e o seu acervo de manuscritos. Ela foi uma das últimas bibliotecas antigas, às vésperas da invenção da imprensa, a manter o seu próprio espírito de biblioteca humanista.  Não é à toa que, em junho de 2005, a UNESCO lhe conferiu o título de Registro da Memória do Mundo.

Matteo Nuti e Leon Battista Alberti

Essa biblioteca foi realizada na metade do século XV, pelo arquiteto Matteo Nuti, sob encomenda do mecenas Malatesta Novello, o “patrão” da cidade naquela época, no convento de São Francisco. Porém, segundo alguns estudiosos, o projeto da biblioteca, desenhado por Nuti, pode ter sido inspirado na ideia de outro arquiteto, Leon Battista Alberti.
UNESCO: Biblioteca Malatestiana

Além dos grandes livros sobre a cultura medieval, Malatesta Novello, mecenas responsável pela criação da Bibliotea Malatestiana, também reuniu obras sobre a cultura clássica latina, grega, hebreia e árabe para conseguir realizar o seu projeto de uma cultura universal de cunho humanista.

343 manuscritos

O interessante dessa biblioteca é que os seus maravilhosos 343 códigos manuscritos continuam ainda no mesmo lugar onde já estavam desde o século XV, unidos às carteiras de leitura pelas mesmas correntes daquele período. Uma verdadeira relíquia de uma biblioteca digna de príncipe na primeira metade do Renascimento.

UNESCO: Biblioteca Malatestiana

Fachada da entrada da Biblioteca Malatestiana. Além da biblioteca antiga, a estrutura oferece, nas suas outras salas, um enorme acervo que pode ser consultado pelo público. O prédio tem três andares, divididos em salas de leitura, cinema, laboratórios para crianças e adolescentes, salas para palestras e um bookshop.

Foi graças à ideia de seu fundador que Cesena, mesmo situada em uma posição geográfica um pouco afastada dos grandes centros urbanos italianos, seguiu os passos de Milão, Florença e Roma no quesito cidade propagadora de cultura humanista, a base da civilização ocidental.

No início foi criada como uma biblioteca particular, nobre, mas depois Malatesta Novello a doou à comuna para uso público, o que faz da Biblioteca Malatestiana uma das mais antigas bibliotecas públicas da Europa.
UNESCO: Biblioteca Malatestiana

Oito corais do Cardeal Bessarione

A Galeria da Imagem é por onde você passa para entrar na Aula del Nuti, a biblioteca antiga Malatestiana, no primeiro andar. Nessa galeria você pode ler textos sobre curiosidades e a história dos códigos do acervo malatestiano.

Na Biblioteca Piana, em frente à Aula del Nuti, estão conservadas duas séries litúrgicas ilustres do século XV, constituídas por sete corais da Catedral de Cesena e de oito corais do Cardeal Bessarione, um dos mais importantes e influentes da igreja naquele século. Esses corais são verdadeiras obras de arte, pois são ornados com miniaturas preciosas.
UNESCO: Biblioteca MalatestianaBiblioteca Piana, a qual fica em frente à Aula del Nuti. Possui um acervo com mais de cinco mil volumes dos séculos XV-XIX e uma centena de manuscritos, dentre eles códigos preciosos, como o Evangeliario, do ano 1104.

Uma curiosidade

Nesta biblioteca está exposto o menor livro do mundo legível sem lente (mm 15×9)! Esse minúsculo tesouro foi impresso pelos Irmãos Salmin de Pádua em 1897.

UNESCO: Biblioteca Malatestiana

Porta de entrada da Aula del Nuti.

Porta de entrada da Aula del Nuti

O tímpano em cima da porta tem a figura de um elefante, emblema da família Malatesta, com o seguinte texto em latim: “Elephas Indus culices non timet” (Elefante indiano não teme os mosquitos, tradução livre). Tal frase, segundo dizem, seria uma alfinetada na família rival Da Polenta, da cidade de Ravena, área infestada por mosquitos.

UNESCO: Biblioteca Malatestiana

A majestosa Aula del Nuti. O grande salão, com três naves, é sabiamente iluminado pelas janelas ogivais e por um “grande olho” na parede de fundo. São vinte e nove carteiras para cada uma das duas arcadas laterais, nas quais estão conservados os 343 manuscritos presos às carteiras por correntes em ferro batido.


Leia minhas outras dicas da Emília-Romanha.


UNESCO: Biblioteca Malatestiana

No chão da Aula del Nuti há vários quadrados com esta epígrafe – “Mal(atesta) Nov(ellus) Pan(dulphi) fil(ius) Mal(atestae) nep(os) dedit” – para manter sempre vivo na memória das pessoas que foi Malatesta Novello o grande idealizador dessa biblioteca.


Como chegar à Biblioteca Malatestiana em Cesena

 


Da estação de trem de Cesena até a Biblioteca Malatestiana são cerca de quinze minutos a pé.

Visita guiada na Biblioteca Malatestiana

É necessário agendar a visita guiada diretamente na Biblioteca Malatestiana, no Escritório de Turismo do município de Cesena ou pelo e-mail: galuppi_m@comune.cesena.fc.it

A visita guiada dura cerca de trinta minutos e é feita com uma guia italiana. Os visitantes estrangeiros têm à disposição audioguias em inglês, francês ou alemão.

Entrada: 5 euros, já incluído o acompanhamento da guia italiana ou o uso de audioguia em língua estrangeira.

4 euros: Maiores de 65 anos. 2 euros: Estudantes universitários.

Gratuito: Crianças até 6 anos.

 Horário: Em virtude das atualizações anuais de horários, consulte diretamente o site da Biblioteca Malatestiana.

A biblioteca fecha em 15 de agosto, 25 de dezembro e 1º de janeiro.


Quero receber a newsletter mensal de Viagem na Itália


Dicas de viagem e turismo em Bolonhas: serviços turísticos


VIAGEM NA ITÁLIA

Desde 2003, sou residente em Riccione, um balneário turístico na região Emília-Romanha. No fim de maio de 2013, decidi tirar da gaveta a ideia de escrever um blogue com dicas de viagem na Itália, divulgando, assim, o maravilhoso patrimônio artístico, cultural e paisagístico que só este país pode oferecer. Estou também no Facebook, Instagram, Twitter e YouTube. Assine a newsletter mensal.

Comments

  1. […] Leia minha postagem sobre a Biblioteca Malatestiana em Cesena. […]

  2. […] de visitar a Biblioteca Malatestiana em Cesena, não podia também deixar de conhecer a Biblioteca Gambalunga, em Rimini, perto da minha casa. […]

  3. […] você é amante de biblioteca, então não pode deixar de visitar a Biblioteca Malatestiana em Cesena, Registro da Memória do Mundo pela […]

  4. […] datando já no período etrusco-romano. Em 1004, foi edificado o primeiro castelo da senhoria Malatesta, ligado em seguida à história dos Montefeltro e dos Médici. No século XVI, com a transferência […]

  5. […] fizeram com o Papa e os Duques de Montefeltro para se defenderem da hegemonia da poderosa família Malatesta de Rimini no século XV. De lá pra cá, a superfície territorial sempre se manteve a mesma, isto […]

  6. […] volta de 1460, um papa acusou Sigismondo Malatesta de ter construído un templo pagão, cheio de divindades. Depois, de templo pagão este edifício […]

  7. […] dos Agolanti: Único edifício que sobrou dos Agolanti, vassalos da família Malatesta, no antigo condado de Arcione. Conhecido também como “tumba branca”, o castelo era definido no […]

  8. […] Quarenta e oito Códigos Malatestianos e quatro mapas de grandes dimensões da Biblioteca Malatestiana de Cesena; […]

Deixe seu comentário ☺

error: