O que ver em Ravenna, Emília-Romanha: seus 8 Patrimônios Unesco


Dicas de Bolonha e arredores / Dicas de Rimini e arredores

Ravenna (Ravena, em português), a última capital do Império Romano do Ocidente, região Emília-Romanha, é famosa mundialmente pelos seus mosaicos e, para fazer jus às suas maravilhas artísticas, a cidade conta com bem 8 Patrimônios da Humanidade pela Unesco.

São eles: Mausoléu de Galla Placídia, Batistério dos Arianos, Batistério Neoniano, Basílica de San Vitale, Mausoléu de Teodorico, Basílica de Sant’Apollinare in Classe, Basílica de Sant’Apollinare Nuovo e Capela Arcebispal (ou de Santo André).

Em Ravenna, existem muitos outros monumentos que merecem ser visitados, porém, para facilitar a leitura, decidi reunir neste texto somente seus 8 monumentos que são Patrimônio Unesco.

O que ver em Ravenna


Mapa com os 8 monumentos que são Patrimônio Unesco em Ravenna. Com exceção da Basílica de Sant’Apollinare in Classe, dá para conhecer todos a pé no centro ravennate.

Mausoléu de Galla Placídia – cúpula com céu estrelado

O que ver em Ravenna: Muasoléu de Galla Placídia

Mausoléu de Galla Placídia, Ravenna.

Galla Placídia (Galla Placidia, 386-452), irmã do Imperador Honório, o responsável pela transferência da capital do Império Romano do Ocidente de Milão para Ravenna em 402 d.C., mandou construir para si mesmo esse pequeno mausoléu em forma de cruz grega por volta de 425-450.

Todavia, esse mausoléu nunca usado para tal fim porque a imperatriz, morta em Roma em 450, foi enterrada em Ravenna.

Externamente o prédio é muito simples e modesto, sobretudo se comparado com a rica decoração interna de mosaicos, a qual se torna mais esplêndida com a luz dourada que entra através das janelas de alabastro.

Os temas iconográficos, entre a tradição artística helênico-romana e aquela cristã, desenvolvem-se em torno da vitória da vida eterna sobre a morte.

Imperdíveis as inúmeras estrelas da cúpula.

Horários: Todos os dias, das 9 h às 19 h. O Mausoléu fecha em 25 de dezembro.

Ingressos

Inteiro: 9.50€
Reduzido: 8.50€*

Com o mesmo ingresso é possível visitar a Basílica de Sant’Apollinare Nuovo, o Batistério Neoniano, a Basílica de San Vitale, o Mausoléu de Galla Placídia e o Museu e a Capela Arcebispal.

* Válido para estudantes italianos e estrangeiros durante o ano escolar.

Grátis: Crianças até 10 anos, deficientes físicos com acompanhante, religiosos, jornalistas (com documento).

Basílica de San Vitale

O que ver em Ravenna: Basílica de San Vitale

Basílica de San Vitale

É um dos monumentos mais importantes da arte paleocristã na Itália, principalmente pela beleza de seus mosaicos. Fundada por Giuliano Argentario, sob encomenda do bispo Ecclesio,  a basílica de planta octogonal foi consagrada em 548 pelo arcebispo Massimiano.

A influência oriental, sempre presente na arquitetura ravennate, aqui assume um papel dominante, seja do ponto de vista arquitetônico, enquanto combina elementos da tradição oriental e ocidental, seja pela decoração em mosaicos que exprime em modo claro a ideologia e a religiosidade da época justiniana.

No presbitério, próprio em frente ao altar, em um lado do pavimento octogonal está representado um labirinto. As pequenas lanças partem do centro e, através de um percurso sinuoso, vão em direção ao centro da Basílica. Nos primeiros anos do cristianismo, o labirinto era muito usado como símbolo do pecado e do percurso para a purificação.

Encontrar a saída do labirinto é um ato de renascimento. Uma vez completado o percurso do labirinto do pavimento de San Vitale, podemos levantar os olhos em direção ao altar e contemplar os mosaicos, uns dos mais belos do cristianismo.

Pontos turísticos em Ravenna, Emília-Romanha

Basílica de San Vitale.

Horários: Todos os dias, das 9 h às 19 h. A Basílica fecha em 25 de dezembro.

Ingressos

Inteiro: 9.50€
Reduzido: 8.50€*

Com o mesmo ingresso é possível visitar a Basílica de Sant’Apollinare Nuovo, o Batistério Neoniano, a Basílica de San Vitale, o Mausoléu de Galla Placídia e o Museu e a Capela Arcebispal.

* Válido para estudantes italianos e estrangeiros durante o ano escolar.

Grátis: Crianças até 10 anos, deficientes físicos com acompanhante, religiosos, jornalistas (com documento).

Basílica de Sant’Apollinare Nuovo

O que ver em Ravenna: Basílica de Sant'Appolinare Nuovo

Basílica de Sant’Apollinare Novo.

A Basílica de Sant’Apollinare Nuovo, construída por ordem de Teodorico (493-526) ao lado de seu palácio, originariamente era uma igreja de culto ariano. Depois da reconquista bizantina e da consagração do culto ortodoxo (metade do século VI), foi intitulada a San Martino, bispo de Tours.

Segundo a tradição, no século IX as relíquias de Sant’Apollinare foram aqui trazidas da Basílica de Classe e, naquela ocasião, recebeu o título de Sant’Apollinare, dito “Novo” para diferenciá-lo de uma outra igreja do mesmo nome presente na cidade.

No seu interior, sobrevive a maravilhosa decoração de mosaicos da antiga construção, a qual, do ponto de vista estilístico, iconográfico e ideológico, permite seguir a evolução do mosaico parietal bizantino da idade teodoriciana àquela justiniana.

As 26 cenas cristológicas, que remontam ao período de Teodorico, representam o maior ciclo monumental do Novo Testamento e, dentre os realizados em mosaico, é o mais antigo que perdura até hoje.

O que ver em Ravenna

Pátio interno da Basílica de Sant’Apollinare Nuovo.

Horários: Todos os dias, das 9 h às 19 h. A Basílica fecha em 1º de janeiro e 25 de dezembro.

Ingressos

Inteiro: 9.50€
Reduzido: 8.50€*

Com o mesmo ingresso é possível visitar a Basílica de Sant’Apollinare Nuovo, o Batistério Neoniano, a Basílica de San Vitale, o Mausoléu de Galla Placídia e o Museu e a Capela Arcebispal.

* Válido para estudantes italianos e estrangeiros durante o ano escolar.

Grátis: Crianças até 10 anos, deficientes físicos com acompanhante, religiosos, jornalistas (com documento).

Batistério Neoniano

O que ver em Ravenna: Batistério Neoniano

Batistério Neoniano.

O Batistério Neoniano, situado ao norte da atual catedral de Ravenna, é um dos monumentos mais antigos da cidade. Provavelmente foi construído em torno do início do século V, contemporaneamente à vizinha catedral, por iniciativa do Bispo Urso. Na época do Bispo Neone (450 – 475), foi objeto de importantes restauros que levaram ao refazimento da cúpula e, sobretudo, à realização da decoração interna que podemos admirar até hoje.

No centro do edifício, uma banheira octogonal de mármore grego e pórfiro, refeita em 1500, conserva ainda algum fragmento original do século V.

Carl Gustav Jung, um dos pais da psicanálise, no início do século XX ficou completamente extasiado pela magia dessas decorações.

Dicas de Ravenna

Batistério Neoniano.

Horários: Todos os dias, das 9 h às 19 h. O Batistério fecha em 1º de janeiro e 25 de dezembro.

Ingressos

Inteiro: 9.50€
Reduzido: 8.50€*

Com o mesmo ingresso é possível visitar a Basílica de Sant’Apollinare Nuovo, o Batistério Neoniano, a Basílica de San Vitale, o Mausoléu de Galla Placídia e o Museu e a Capela Arcebispal.

* Válido para estudantes italianos e estrangeiros durante o ano escolar.

Grátis: Crianças até 10 anos, deficientes físicos com acompanhante, religiosos, jornalistas (com documento).

Batistério dos Arianos

O que ver em Ravenna: Batistério dos Arianos

Batistério dos Arianos.

Por volta do fim do século V, quando Teodorico já tinha consolidado o seu domínio e o arianismo era a religião órfica da corte, na pracinha da atual igreja do Espírito Santo (uno passado foi a Catedral dos Arianos), foi construído o Batistério dos Arianos.

A única parte decorada do monumento que restou é a cúpula revestida de mosaicos que representam o cortejo dos doze apóstolos e, no clípeo central, o batismo de Cristo, um homem jovem e nu, imerso na água até os quadris.

Mesmo conservando a mesma impostação iconográfica do Batistério Neoniano, do qual traz inspirações, o mosaico dos Arianos testemunha o culto da corte de Teodorico, fundado na figura de Cristo contemporaneamente divina e terrena.

Horários: Todos os dias, das 9 h às 19h30. O Batistério fecha em 1º de janeiro, 1º de maio e 25 de dezembro.

Ingressos gratuito.


Leia minhas outras dicas da Emília-Romanha.


Capela Arcebispal ou de Santo André (Sant’Andrea)

Capela de Santo André. Foto: Turismo de Ravenna.

Capela de Santo André. Foto: Turismo de Ravenna.

A Capela Arcebispal ou de Santo André constitui o único exemplo de capela arcebispal paleocristã que chegou íntegra até nós. Foi construída por Pietro II (494-519) como oratório privado dos bispos católicos durante o reinado de Teodorico, quando o culto dominante era aquele ariano. Dedicada originariamente a Cristo, foi, em seguida, intitulada a Santo André, cujas relíquias tinham sido transportadas de Constantinopla para Ravenna por volta da metade do século VI.

Sua iconografia é de grande interesse: todo o programa decorativo tende a  glorificar a figura de Cristo, uma interpretação claramente antiariana.  A presença do Salvador no papel de guerreiro, o seu monograma e o seu rosto dominam vários pontos da capela e as imagens dos Mártires, dos Apóstolos e dos Evangelistas também contribuem para destacar esse conceito de glorificação como clara afirmação da ortodoxia católica.

Infelizmente é proibido fotografar a Capela de Sant’Andrea

Horários: Todos os dias, das 9 h às 19 h. A Capela fecha em 1º de janeiro e 25 de dezembro.

Ingressos

Inteiro: 9.50€
Reduzido: 8.50€*

Com o mesmo ingresso é possível visitar a Basílica de Sant’Apollinare Nuovo, o Batistério Neoniano, a Basílica de San Vitale, o Mausoléu de Galla Placídia e o Museu e a Capela Arcebispal.

* Válido para estudantes italianos e estrangeiros durante o ano escolar.

Grátis: Crianças até 10 anos, deficientes físicos com acompanhante, religiosos, jornalistas (com documento).

Mausoléu de Teodorico

O que ver em Ravenna: Mausoléu de Teodorico

Mausoléu de Teodorico.

Realizado sob encomenda do próprio Teodorico em 520 d.C., para ser a sua sepultura, o mausoléu, inteiramente realizado com blocos de pedra de Ístria, articula-se em dois andares sobrepostos, ambos decagonais.

Acima do mausoléu, eleva-se uma grande cúpula monolítica, coroada por doze manilhas com os nomes dos oito Apóstolos e dos quatro Evangelistas.

No andar superior, está uma banheira de pórfiro, na qual, presume-se, foi enterrado o próprio Teodorico, cujos restos mortais foram removidos durante o domínio bizantino depois do edito de Justiniano em 561. Assim, o mausoléu foi transformado em oratório e consagrado ao culto ortodoxo.

Horários: Todos os dias, das 8h30 às 19 h. O Mausoléu fecha em 1º de janeiro, 1º de maio e 25 de dezembro.

Ingressos

Inteiro: 4€
Reduzido: 2€*

Integrado de 10€ (Reduzido 6€*) : Mausoléu de Teodorico + Museu Nacional de Ravenna
Integrado de 12€ (Reduzido 7€*) Mausoléu de Teodorico + Museu Nacional de Ravenna + Basílica de Sant’Apollinare in Classe

* Cidadãos da União Europeia de 18 a 25 anos.

Grátis: Primeiro domingo de todos os meses, menores de 18 anos, deficientes físicos com acompanhante, jornalistas (com documento).

Basílica de Sant’Apollinare in Classe

Dicas de Ravenna: Sant'Appolinare in Classe

Basílica de Sant’Apollinare in Classe.

A Basílica de Sant’Apollinare in Classe,  grandiosa e solene, está situada a cerca de 8 km do centro de Ravenna. Foi edificada por Juliano Argentario, sob encomenda do arcebispo Ursicino, durante a primeira metade do século VI sobre uma precedente área cemiterial em uso entre o fim do século II e início do século III, onde, presume-se, esteja a sepultura do própriobispo Apollinare.

A igreja foi definida como o maior exemplo de basílica paleocristã. Apesar das espoliações sofridas no curso dos séculos, a igreja, até hoje, preserva a beleza da estrutura original e é admirada pelos seus lindos mosaicos polícromos da abside e os antigos sarcófagos de mármore dos arcebispos.

Pontos turísticos em Ravenna, Emilia-Romagna

Basílica de Sant’Apollinare in Classe.

Horários: Segunda a sábado, das 8h30 às 19h30. Domingos e feriados religiosos: 13 h às 19h30.

A Basílica fecha em 1º de janeiro, 1º de maio e 25 de dezembro.

Ingressos (valores até 30 de outubro de 2016 em ocasião da mostra La forma del dialogo. Icone della collezione classense e opere di Bruno Ceccobelli)

Inteiro: 5€
Reduzido: 2.50€*

Integrado de 10€ (Reduzido 5€*) Mausoléu de Teodorico + Museu Nacional de Ravenna + Basílica de Sant’Apollinare in Classe

* Cidadãos da União Europeia de 18 a 25 anos.

Grátis: Primeiro domingo de todos os meses, menores de 18 anos, deficientes físicos com acompanhante, jornalistas (com documento).

Dicas úteis para você visitar Ravenna


Aconselho fazer um bate-volta de Bolonha, Ferrara ou Riccione para Ravenna.

Você pode ir a Ravenna DE CARRO ou de trem.

Com exceção de Sant’Apollinare in Classe (8 km do centro de Ravenna), para onde eu fui de ônibus, visitei todos esses monumentos a pé (veja mapa no início do post).

Quero receber a newsletter mensal de Viagem na Itália


Dicas de viagem e turismo em Bolonhas: serviços turísticos


*Post baseado nas informações do site de Turismo de Ravenna.

** Esta postagem contém links de parceiros afiliados. Saiba mais sobre a Política de Monetização do blogue.


VIAGEM NA ITÁLIA

Desde 2003, sou residente em Riccione, um balneário turístico na região Emília-Romanha. No fim de maio de 2013, decidi tirar da gaveta a ideia de escrever um blogue com dicas de viagem na Itália, divulgando, assim, o maravilhoso patrimônio artístico, cultural e paisagístico que só este país pode oferecer.

Estou também no Facebook, Instagram, Twitter e YouTube.
Assine a nossa newsletter mensal.

Comentários

  1. […] DOC produzido nas províncias de Bolonha, Forlì-Cesena, Rimini e Ravenna. É feito com uvas do tipo Sangiovese vinificadas em pureza ou pode ser misturado com uvas (máximo […]

  2. […] Leia minhas dicas de Ravenna. […]

  3. […] a última capital do Império Romano do Ocidente, além de ter 8 Patrimônios UNESCO, oferece também muros com street art e laboratórios de restauro de mosaicos para quem se […]

  4. […] Ravenna: Monumentos paleocristãos […]

  5. […] de Visitas Cubo Mágico Bevanella (Centro Visite Cubo Magico Bevanella), em Savio, província de Ravenna, região […]

  6. […] Ravenna – 84,5 km – cerca de 1 h […]

  7. […] da Itália, teve uma grande importância na Idade Média devido à sua posição estratégica entre Ravena (Ravenna, em italiano) e Roma, uma área que era motivo de confronto entre longobardos e […]

Deixe seu comentário ☺

error: