Máscaras italianas de carnaval 🎭


Cultura italiana

Na foto de capa deste post, um mapa da Itália com máscaras de carnaval típicas de várias regiões do país. Peppe Nappa, na Sicília, Pancrazio, na Apúlia, e Geppin, em Gênova, são alguns exemplos de máscaras derivadas da Commedia dell’Arte.

As máscaras italianas de carnaval têm suas origens na famosa Commedia dell’Arte, um gênero teatral que nasceu na Itália por volta da metade do século XVI e perdurou até fins do século XVIII.

O diferencial desse tipo de teatro estava na improvisação dos “personagens fixos”, isto é, aqueles que passavam de um espetáculo a outro. Dentre esses personagens, podemos destacar Arlecchino, Brighella, Colombina, Buffetto, etc. os quais usavam máscaras em couro e falavam dialetos e línguas diferentes.

O carnaval veneziano é reconhecido mundialmente pelo desfile de máscaras que podemos ver pelas suas praças, ruas e nas festas realizadas em seus luxuosos palácios.

Mas as máscaras de carnaval na Itália, originárias da Commedia dell’Arte, difundiram-se em várias partes do país e com algumas características típicas de cada cidade.

Guia brasileira na Itália. Maria Arruda

Selecionei seis máscaras italianas de carnaval

Máscaras italianas de carnaval.

Arlecchino

Segundo a tradição, essa seria a máscara de carnaval mais antiga, com origens na Idade Média. Sua cor é o preto, e é acompanhada por uma fantasia cheia de losangos coloridos.

Criada na região Lombardia, mais precisamente em Bérgamo, essa máscara representa a cultura veneziana com uma dose de humorismo, sendo o personagem Arlecchino um servo astuto que procura extorquir alguns trocados de patrões avarentos e burros.

Máscaras italianas de carnaval.

Giangurgolo

Típica da região Calábria, essa máscara teve uma grande difusão nos espetáculos da Commedia dell’Arte entre os séculos XVII e XVIII. Seu personagem interpretava o papel de Capitão, apesar de suas características indicarem uma origem diferente.

O nome Giangurgolo significa Giovanni Golapiena e a máscara poderia representar uma versão calabrese do Zanni bergamasco.

Máscaras italianas de carnaval.

Meneghino

Máscara símbolo de Milão, é usada pelo personagem de um servo grosseiro, mas de bom caráter, que auspica manter a sua liberdade e se mantém ao lado do seu povo.

Seu apelido era Domeniguin, o qual, aos domingos, acompanhava as nobres senhoras milanesas à missa ou em passeios. Generoso e despachado como os milaneses, não é à toa que esses últimos sejam chamados de meneghini.

Máscaras italianas de carnaval.

Pulcinella

Criada no século XVI, essa máscara tem sua origem em Nápoles. De cores branca e preta, é acompanhada por um longo camisão branco. É considerada uma das máscaras com mais sorte no teatro cômico italiano. Provavelmente, Pulcinella deriva da palavra napolitana “polliccino” (pintinho).


Aproveite e se delicie com estes doces italianos típicos de carnaval.


Máscaras italianas de carnaval.

Zanni

Máscara acompanhada por uma túnica e meias bicolores, representa o personagem de um servo-camponês grosseiro, porém astuto e avarento que, com jogo de cintura, consegue passar pra trás aqueles aristocráticos chiques.

O nome dessa máscara provém do nome Giovanni, o qual no dialeto lombardo se diz Gian, e nos dialetos vênetos, Zuan e Zan. Sua característica é um “chifre” colocado na posição do nariz com a ponta para baixo.
Máscaras italianas de carnaval.

Dottor Balanzone

É uma fantasia típica de Bolonha cuja máscara representa um personagem pedante e rabugento que, geralmente, fala muito e não conclui nada, porém é sabido e erudito.

Na cabeça tem um chapéu preto de aba larga e veste uma toga longa com calças pretas. Leva uma renda branca no pulso e, no pescoço, um colarinho também em renda. Usa meias brancas e sapatos pretos com salto. Tem bigodes à la Salvador Dalì e, geralmente, carrega um livro debaixo do braço.


* Este texto faz parte da Blogagem Coletiva “Carnaval Italiano“. Leia também os textos de:

Descobrindo a Sicília – Carnaval na Sicília

O Guia de Milão – Carnaval em Milão

Passeios na Toscana – Carnaval na Toscana


* Esta postagem contém links de parceiros afiliados. Saiba mais no F.A.Q. do blogue.


VIAGEM NA ITÁLIA

Desde 2003, sou residente em Riccione, um balneário turístico na região Emília-Romanha. No fim de maio de 2013, decidi tirar da gaveta a ideia de escrever um blogue com dicas de viagem na Itália, divulgando, assim, o maravilhoso patrimônio artístico, cultural e paisagístico que só este país pode oferecer. Estou também no Facebook, Instagram, Twitter e YouTube. Assine a newsletter mensal.

Comments

  1. Belissimo!

  2. […] tem nada a ver com o nosso carnaval brasileiro. Pessoas que caminham com suas lindas fantasias e máscaras pela cidade, a maior parte estrangeiros, as festas suntuosas nos palácios históricos, as […]

  3. […] Veneza deste ano, enquanto milhares de pessoas desfilavam pela Praça São Marcos com suas lindas máscaras, eu preferi visitar a Torre do Relógio e, uma vez lá em cima, pude ter uma visão panorâmica da […]

  4. […] na Itália não é só sinônimo de fantasias, máscaras, festas etc., é também o período no qual alguns doces italianos típicos são preparados em […]

  5. […] as suas obras – tragédias, comédias, farsas – inspiradas próprio no teatro grego. As máscaras, que caíram em desuso aos poucos, eram aquelas típicas do teatro grego, com furos em […]

  6. […] na livraria para fazê-la de set fotográfico: juntar o ambiente da Acqua Alta com as lindas máscaras venezianas era um prato cheio para qualquer um que quisesse levar uma foto de recordação desse […]

Deixe seu comentário ☺

error: