Casa-museu de Luciano Pavarotti, Emília-Romanha


Cultura italiana / Dicas de Bolonha e arredores / Museus

Vai à Emília-Romanha e é fã de Luciano Pavarotti? Então aproveite para visitar a casa-museu desse tenor italiano em Modena (Módena, em português): uma oportunidade para conhecer um pouco mais sobre a sua carreira artística e as suas paixões pessoais.

Visitei a casa-museu de Pavarotti em outubro de 2015 como cortesia de Discover Ferrari & Pavarotti Land* e, para quem se interessa por ópera, certamente é uma atração bem interessante porque podemos ver objetos pessoais e entrar nas estâncias da casa em que o artista modenese viveu os últimos anos de sua vida.

Casa-museu de Luciano Pavarotti, Módena, Itália.

Luciano Pavarotti na cerimônia de abertura das Olimpíadas Invernais de Turim, 2006. Foto: Wikipedia.

Casa-museu de Luciano Pavarotti: uma breve biografia do tenor

Um dos maiores tenores de todos os tempos

Luciano Pavarotti nasceu em 12 de outubro de 1935 na cidade de Modena, Emília-Romanha, e deu os primeiro passos da sua carreira no coro da sua cidade-natal. Foi o seu pai, um fã de ópera e tenor no coro do Teatro Municipal, que o introduziu no mundo da música.

O jovem Pavarotti e seu pai, por meio do coral Gioachino Rossini, foram até o País de Gales para participar de um concurso internacional de canto, onde foram vencedores. Esse evento aumentou a ambição musical do jovem Luciano, fazendo com que ele sonhasse uma carreira de tenor.

Ele começou os seus estudos com Arrigo Pola e depois com Ettore Campogalliani. As aulas eram frequentes e intensas, e Luciano geralmente participava das lições com a sua amiga e companheira de classe Mirella Freni.

Casa-museu de Luciano Pavarotti, Modena

Esquerda: Quarto pessoal. Direita: Muitos prêmios italianos e internacionais do tenor.

O primeiro sucesso de Pavarotti

O primeiro sucesso de Luciano Pavarotti chegou em 1961, quando ganhou o Concurso Internacional “Achille Peri”, seguido pelo seu primeiro papel em uma ópera importante.

Fez o seu debuto em 29 de abril daquele mesmo ano, em Reggio Emilia, no papel de Rodolfo, em La Bohème. Um desempenho que encantou o público e a crítica, e depois, em um breve período de tempo,  realizou muitas outras exibições em teatros importantes.

La Traviata, de Giuseppe Verdi

Mas em 1961 foi também o ano da sua primeira performance no exterior, em La Traviata, de Giuseppe Verdi, com Virginia Zeani, em Belgrado. Depois continuou a trabalhar com essa artista em 1963, em Lucia, de Lammermoor, na cidade de Amsterdã.

Foi um ano de sorte para Luciano Pavarotti, já que ele cantou em Viena e Zurique, e depois, mais uma vez, assumiu o papel de Rodolfo, na Royal Opera de Londres, onde substituiu um indisposto Giuseppe di Stefano, oferecendo ao público um desempenho que o consagrou internacionalmente.

Exibiu-se em vários países e também na Itália nos anos sucessivos.

Casa-museu de Luciano Pavarotti, Modena

Esquerda: Andar superior da casa. Direita: Um dos costumes usado por Pavarotti em uma de suas várias exibições.

Os Três Tenores

No curso da sua longa carreira, Luciano Pavarotti sempre procurou experimentar novas formas de espetáculo e de ideias para fazer com que a ópera fosse apreciada por plateias sempre mais amplas.

Um exemplo disso foram os grandes concertos intitulados Os Três Tenores, com seus colegas José Carreras e Placido Domingo.

Dirigidos pelo Maestro Zubin Mehta, os três artistas se encontraram duas vezes em ocasião da final da Copa do Mundo: a primeira vez, em 1990, nas Termas de Caracalla, em Roma, e em 1994, no Dodger Stadium, de Los Angeles.

A colaboração artística entre eles prosseguiu nos anos: por exemplo, os três tenores foram recebidos por um grande público quando se exibiram nos Champs du Mars, aos pés da Torre Eiffel, para a Copa do Mundo. Depois, em Viena, para um concerto especial de Natal, e também dentro da Cidade Proibida de Pequim.

Casa-museu de Luciano Pavarotti, Modena

No banheiro pessoal de Pavarotti.

Pavarotti & Friends

Fama e sucesso nunca subiram à cabeça do tenor ou sequer enfraqueceram as suas campanhas filantrópicas. Pavarotti organizou uma série de iniciativas benéficas em prol das crianças carentes ao redor do mundo.

De 1992 a 2003, Luciano produziu um evento especial na sua cidade-natal, Modena: o concerto Pavarotti & Friends. Reunindo artistas de vários gêneros musicais, o tenor misturou a sua voz com aquela dos mais importantes nomes do rock, pop e jazz, como Bryan Adams, Anastacia, Jon Bon Jovi, James Brown, George Benson, Bono e The Edge do U2, Mariah Carey, Tracy Chapman, The Chieftains, Eric Clapton, Joe Cocker, Natalie Cole, The Corrs, Sheryl Crow, Lucio Dalla, Celine Dion, Brian Eno, Gloria Estefan, The Eurythmics, Bob Geldof, Enrique Iglesias, Elton John, Grace Jones, Tom Jones, BB King, Ricky Martin, John MacCluchlin, Meat Loaf, George Michael, Liza Minnelli, Laura Pausini, Eros Ramazzotti, Lionel Richie, Spice Girls, Sting, Barry White, Stevie Wonder e Zucchero.

Esses eventos arrecadaram milhões de dólares para levar assistência médica e financiar projetos sócio-educativos na Bósnia, Camboja, Kosovo, Guatemala, Libéria, Tibete, além de ajudar também os refugiados afegãos, angolanos e iraquianos.


Vídeo de Bryan Adams & Luciano Pavarotti – “O Sole Mio”

Reconhecimentos internacionais

Luciano Pavarotti foi homenageado com um número extraordinário de honorificências internacionais e recebeu importantes prêmios, dentre eles: Commendatore de Gran Croce para a República Italiana, vários Emmy, Gramophone e Grammy Awards (incluído o Grammy Legend Award de 1998), Oficial da Légion d’Honneur, Person of the Year para Musicares, recebeu Lauree ad honorem do Philadelphia College of Performing Arts, das Universidades de Pittsburgh, Oklahoma City, Parma, Urbino e San Martin de Lima, o prêmio Ville de Paris (entregue por Jacques Chirac), o People Choice Award Kammersanger (apresentado pelo Ministro da Cultura da Áustria).

Casa-museu de Luciano Pavarotti, Modena

Esquerda: Fachada externa da casa. Direita: Algumas das obras realizadas por Pavarotti.


Leia minhas outras dicas na Emília-Romanha.


Luciano Pavarotti Day

Em 1998, para celebrar o 30° aniversário de seu debuto no Metropolitan Opera House, o prefeito de Nova Iorque, Rudolph Giuliani, proclamou na cidade o Luciano Pavarotti Day. Sempre em 1998, Pavarotti foi nomeado Embaixador pela Paz junto às Nações Unidas pelo Secretário-Geral Kofi Annan, enquanto em 2001, o Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados (UNHCR) condecorou o tenor com o Nansen Award, reconhecendo-lhe o mérito de ter sido o cidadão a ajudar e a arrecadar mais fundos em prol da agência das Nações Unidas para os refugiados.

Em novembro daquele mesmo ano, o presidente russo Mikhail Sergueievitch conferiu a Pavarotti o World Social Award.

Em 2004, o tenor recebeu a mais alta honorificência pela comunidade italiana dos Estados Unidos: a sua inclusão na Calçada da Fama Italiana pela NIAF (National Italian American Foundation).

Casa-museu de Luciano Pavarotti, Modena

Adorei essas capinhas para as garrafas de vinho.

Prêmio Excelência na Cultura

Em 4 de setembro de 2007, o ministro italiano da cultura atribuiu a Pavarotti o “Prêmio Excelência na Cultura” pela sua grande contribuição na difusão da cultura e arte italiana pelo mundo.

Em março de 2004, Luciano Pavarotti se exibiu pela última vez em um concerto de ópera no Metropolitan Opera House de Nova Iorque. A sua última apresentação ao vivo foi perante uma enorme plateia na Cerimônia de Abertura das Olimpíadas Invernais de Turim em 2006.

Luciano Pavarotti morreu na sua casa de Modena em 6 de setembro de 2007.

Casa-museu de Luciano Pavarotti, Modena

Casa-museu de Pavarotti.


Casa-museu de Pavarotti, Modena, Emília-Romanha

Casa-museu de Luciano Pavarotti, Modena

Uma das salas da casa-museu.

Casa de Pavarotti

A residência de Luciano Pavarotti foi concluída em 2015. Está situada num terreno que ele comprou, na metade dos anos 80. Nessa mesma área, Pavarotti cultivou a sua grande paixão pelos cavalos, construindo escudarias e abrindo uma escola de equitação.

A casa foi projetada seguindo escrupulosamente as indicações e os desenhos que Pavarotti fornecia aos arquitetos e aos técnicos que realizaram a sua construção.

A casa reflete em cada detalhe a personalidade de Luciano Pavarotti. Guarda objetos pessoais que ele amava e as recordações dos seus dias em companhia da família, dos amigos e dos jovens estudantes. A visita a essa casa-museu permite descobrir nas suas estâncias a intimidade de um Pavarotti, aproximar-se graciosamente de sua memória e conhecer os seus costumes cotidianos, descobrindo o seu lado caseiro fora dos panos do grande artista.

Podemos, sobretudo, admirar os trajes de cena de que ele tanto gostava, as fotos e os vídeos que distinguiram o seu grande percurso artístico, os vários prêmios e os reconhecimentos de uma carreira de mais de quarenta anos nos teatros de ópera do mundo todo.

Casa-museu de Luciano Pavarotti, Modena

Esquerda: Grande salão da casa. Direita: Objetos pessoais de Luciano Pavarotti.


 Endereço, horário e ingressos da Casa-museu de Luciano Pavarotti


Stradello Nava, 6. Modena. Emília-Romanha.

O melhor de transporte para ir à Casa-museu de Pavarotti é o CARRO ou com Discover Ferrari & Pavarotti Land.

 Horário de abertura

Terça a domingo (fechado às segundas-feiras), das 10 h às 18 h. A bilheteria fecha às 17 h.

 Ingressos

Inteiro: 8 euros

Reduzido: 6 euros (idosos acima de 65 anos, jovens de 12 a 18 anos).

Gratuito: Crianças até 12 anos.

 Para mais informações, visite o site oficial da Casa-museo Luciano Pavarotti.

Quero receber a newsletter mensal de Viagem na Itália


SERVIÇOS INDICADOS NA EMÍLIA-ROMANHA E EM TODA A ITÁLIA


Faça um roteiro personalizado na Itália.

Tours em português, transfers, roteiros e outros serviços em Bolonha.

Reservas de hotéis com Booking pelos melhores preços e sem acréscimo em Modena.

Aluguel de carros na Itália e em qualquer lugar do mundo com Rentalcars.

train-icon Passagens e passes de trem na Itália e em outros países da Europa com RailEurope.


*Visitei a Casa-museu de Luciano Pavarotti como cortesia do Discover Ferrari & Pavarotti Land em outubro de 2015.

**Referências bibliográficas

*** Esta postagem contém links de parceiros afiliados. Saiba mais sobre a Política de Monetização do blogue.


VIAGEM NA ITÁLIA

Desde 2003, sou residente em Riccione, um balneário turístico na região Emília-Romanha. No fim de maio de 2013, decidi tirar da gaveta a ideia de escrever um blogue com dicas de viagem na Itália, divulgando, assim, o maravilhoso patrimônio artístico, cultural e paisagístico que só este país pode oferecer.

Estou também no Facebook, Instagram, Twitter e YouTube.
Assine a nossa newsletter mensal.

Comentários

  1. Catarina Says: Maio 23, 2016 at 3:49 pm

    Oba, que legal!

    Adoro Luciano Pavarotti! Quando for na Itália, vou fazer o possível pra visitar essa casa-museu dele.

    Obrigada pela informação!

    Catarina

  2. […] Casa-museu de Luciano Pavarotti, Modena […]

Deixe seu comentário ☺

error: